QUEM É O BERLUSCONNI BRASILEIRO? QUEM É O BERLUSCONI BRASILEIRO?






    Desabafo da Ministra Eliana Calmon:
    “ Estou desolada com a decisão do Supremo.
    Lamentavelmente eles prepararam um enterro de luxo para a Lava Jato, em diabólica armação, ao que tudo indica saida da mente brilhante de Gilmar Mendes.
    O mais grave é que eles sabem perfeitamente que a Justiça Eleitoral não está preparada para atender ao que eles determinaram.
    Os juizes eleitorais são juizes emprestados da Justiça Comum, com mandato de dois anos e portanto sem as garantias que dão ao magistrado independência. Eles são escolhidos pelo Tribunal de Justiça, e percebem uma polpuda gratificação que hoje está na faixa de oito mil reais mensal, pois o jeton por sessão é de R$ 914,13 e o número de sessões é de, no mínimo, de 8 sessões. Essa gratificação não está sujeita a imposto de renda e se agrega integral à remuneração do magistrado. O jeton e o prestigio curricular faz com que as indicações sejam altamente cobiçadas e sempre acompanhadas de forte interferência política.
    O mesmo ocorre nos Tribunais Regionais Eleitorais, formado de desembargadores  e advogados escolhidos por critério meramente político, o que se repete na escolha dos ministros representantes do quinto constitucional no Tribunal Superior Eleitoral.
    A sistemática, portanto, retira do juiz eleitoral as garantias da inamovibilidade e da irredutibilidade de vencimentos.
    Portanto, nào se diga apenas que falta estrutura burocrãtics para atuar a Justiça Eleitoral na apuração de complexos processos de corrupção de políticos, enfrentando os mais hábeis e enturmados advogados, regiamente pagos. A falta de estrutura é uma dificuldade contornável, mas a falta de garantia dos magistrados eleitorais é incontornável e os torna vulneráveis.
    A decisão do Supremo foi premeditadamente preparada para acabar com a Lava Jato, repito.
    Primeiro veio a portaria do Presidente da Corte, sem limites objetivos ou subjetivos, como instrumento de intimidação, adredemente concebida como mordaça Depois partiram para a desconstrução de uma Operação que só fez enaltecer o Judiciário Brasileiro e pela primeira vez na história desse país chegou até os corruptos de colarinho branco e parlamentares.
    O enterro foi arquitetado com esmero e já antecipando o alcance já indicam alguns ministros a possibilidade de ser dado efeito retroativo e assim anular muitas das condenações da Lava Jato, ou seja um apagar quase tudo para começar de novo.
    Mas não é só. Pela forte manifestação de Gilmar foi dado inicio à desconstrução da reputação dos investigadores, tal como aconteceu na Itália com a Operação Mãos Limpas. Só nos falta, agora, saber quem será o nosso Berlusconi.
    “Ministra Eliana Calmon”

    FATO INEDITO NO DF


     

    O governador Ibaneis Rocha estimulou e deu todo apoio político para que a escolha de diretor do BRB seja por meritocracia e de forma democrática, por processo seletivo interno.
    A notícia caiu como uma bomba. É fato inédito no DF!  Nunca antes um diretor do BRB fora assim escolhido. O banco anunciou nesta quinta-feira (28/2) que esta forma de seleção faz parte de uma série de medidas da nova gestão e objetiva possibilitar a crescimento profissional dos empregados ao cargo de dirigente. De acordo com a instituição, esta também é a primeira vez que uma consultoria especializada irá participar da seleção de escolha de um novo membro.

    Os servidores que quiserem se candidatar têm até o dia 7, deste mês de março ou seja praticamente só dois dias, quarta e quinta-feira próxima, em decorrência do feriado de carnaval, para se inscreverem e devem observar os seguintes pré-requisitos: ser concursado, ter mais de 10 anos de trabalho efetivo no BRB, reputação ilibada e formação acadêmica compatível, conforme prevista no edital interno. Além disso, os empregados devem cumprir os requisitos estabelecidos na resolução 4.538 do Conselho Monetário Nacional (CMN).
    Os candidatos passarão por entrevistas, testes de perfil comportamental exigido pela instituição, farão estudo de caso, apresentação de relatórios e plano de ação.

    No processo de seleção, serão considerados aspectos como inovação, comunicação, dinamismo, equilíbrio emocional, foco em resultados, habilidades negociais, criatividade, liderança, planejamento, capacidade de entrega, tomada de decisão e visão sistêmica.
    O resultado do processo seletivo será anunciado no fim de abril.

    É um grande exemplo de valorização profissional que certamente definirá novos rumos e sucesso do BRB. É um exemplo que deve ser seguido nacionalmente, inclusive no sistema jurídico brasileiro.
    Mais um gol de placa do Governador Ibaneis Rocha! A população agradece.

    MCLNeto
    01/03/2019

    CANTOR REVELACAO MUNDIAL








    Novo no cenário musical mundial, a maior revelação é Dimash Kudaibergen, cazaquistanês de 23 anos. Sua extensão vocal é de 4 tons e 9 semitons, vai do barítono ao soprano. É cantor, compositor, multi-instrumentista e canta em 9 idiomas.
    Vale a pena escutar.


    MCLNetto
    15/02/2019


    Saiba quem é o americano que falou mal de Mourão!



    1.                               

         
    Stephen Kevin "Steve" Bannon (Norfolk, 27 de novembro de 1953) é um assessor político estadunidense que serviu como assistente do presidente e estrategista-chefe da Casa Branca no governo Trump. Como tal, participou regularmente do Comitê de Diretores do Conselho de Segurança Nacional dos Estados Unidos, entre 28 de janeiro] e 5 de abril de 2017, quando foi demitido. Antes de assumir tal posição na Casa Branca, Bannon foi diretor executivo da campanha presidencial de Donald Trump, em 2016.

    Anteriormente à campanha, Bannon atuou como banqueiro, produtor de filmes e executivo de mídia, tendo estado à frente do Breitbart News, um site de notícias, opinião e comentários de extrema-direita, o qual ele descreveu, em 2016, como "a plataforma da alt-right (direita alternativa)".

    Mas, na visão de Philip Elliott e Zeke J. Miller, da revista Time, o Breitbart News "instilava material racista, sexista, xenofóbico e antissemita na veia.

    Depois da malfadada passagem pela Casa Branca, Bannon anunciou planos de mudança  para Bruxelas, queria  organizar uma nova frente política para unir partidos populistas do continente europeu antes das Eleições Parlamentares Europeias de 2019.Ele constituiu uma apoio de políticos italianos e belgas, além da perspectiva de adesão dos franceses da Frente Nacional.

    Em agosto de 2018 ocorreu um encontro entre Bannon e Eduardo Bolsonaro, filho do então-candidato de extrema-direita Jair Bolsonaro, atuando, segundo ele, como um conselheiro informal da campanha presidencial de Jair Bolsonaro para as eleições de outubro de 2018.

     Na ocasião, Eduardo Bolsonaro afirmou que Bannon se colocou à disposição para ajudar nas atividades de inteligência da campanha, ações na internet e análise de dados, sem incluir qualquer auxílio financeiro. Começa aí a se infiltrar no âmago do governo buscando o que sempre quis e faz: dividir para ter poder.

    Esta personalidade arrogante, populista, bajuladora e  instável que só conseguiu fazer parte do Staff  do presidente Trump por quatro meses, sendo depois despedido, que anda atrás de candidatos e governos da Europa é que que vem falar mal do Vice-Presidente, tentando trazer a discórdia para dividir é assim  conseguir se firmar no cenário político brasileiro.

    Esqueceu porém que o Brasil já teve e  tem muitos Bannons, aquele sujeito que chega, encanta, solicito, mas que destrói tudo que toca e que você fica louco para mandar embora mas é extremamente espaçoso e vaselina? Aquele que por onde passa deixa fofoca, mal estar e insegurança? Hoje o estrategista americano,  mal visto pelos políticos da América, quer minar o governo brasileiro, quer dividir as forças armadas,  e criar o medo que paralisa e cria monstros de perseguições invisíveis.

    Mas o povo brasileiro e o governo Bolsonaro sabem quem realmente é o
    perigo!

    MCLNetto
    NY  06/02/2019



    GESTÃO PUBLICA





    O problema da administração pública brasileira é de ordem cultural.           O Brasil era visto pelos descobridores como espólio de guerra. Cada um que recebeu o seu pedaço, levava dali o que queria e parece que este  entendimento existe até hoje.

    O poder da nobreza era absoluto e ao monarca tudo era concedido, e estes costumes eternizaram nos outros regimes de governo que gradativamente foram  sendo implantados no Brasil.

    O poder, o luxo, as mesas bem postas e iguarias caras, as traições, as bajulações, as perseguições, a luxúria e a necessidade de muito dinheiro fazem parte do cenário político  de inúmeras nações, inclusive a nossa.

    A Lei não destrona os costumes, principalmente quando não é acompanhada de uma regulamentação punitiva forte, por isso mesmo que a Lei 9.874 de 29 de janeiro de 1999 e outras que regulam  o processo administrativo no âmbito da Administração Pública Federal trazem obrigações que são letras  mortas quando determinam  que a Administração Pública obedecerá, dentre outros, aos princípios da legalidade,    finalidade, motivação, razoabilidade, proporcionalidade, moralidade, ampla defesa, contraditório, segurança jurídica, interesse público e eficiência.

    A Lei mais importante que ainda não foi feita é a da obrigatoriedade  em todos os cursos técnico e  superiores do ensino de administração pública, deveres e obrigações. A proibição de gestores públicos que não tenham, no mínimo um curso técnico é outra premissa importante.

    Ninguém entrega seu carro para quem não sabe dirigir. O mesmo devemos fazer em nossos governos municipais, estaduais, distrital e federal. O gestor público deve saber bem administrar.

    Este novo tempo de avanços tecnológicos,  inovação e globalização do conhecimento chegou para todos, inclusive para os políticos brasileiros.

    Quem não se adequar não sobreviverá. Acabou o curral eleitoral. Quem viver,  verá!

    MCLNetto
    29/01/2019

    CADA UM NO SEU QUADRADO


     

     O governador subiu o tem e deu o seu recado: Quem governa no Distrito Federal é ele,  Ibaneis Rocha.
    No tão propalado estado de Direito Democrático, implantado nos últimos governos do PT, as interferências dos poderes estava se tornando quase uma regra, trazendo insegurança jurídica e até mesmo desgastes graves para os poderes em atrito, mas no governo do Distrito Federal as coisas começaram diferente. O Governador Ibaneis Rocha, quando inquirido pelo MP a respeito de suas nomeações em cargos de competência governamental devolveu o questionamento com o recado de que no governo quem manda é ele.

     Os nomes estão indicados e eu não tenho motivo para retirar nenhuma nomeação. O Ministério Público pode pedir o que ele quiser. Vivemos em um país que quem mais lutou pela democracia foram os advogados como eu. Ministério tem o direito de investigar e eu, de nomear. Disso eu não vou abrir mão”.
                                                                                                          Ibaneis Rocha

     
    Eu não volto atrás. O Ministério Público administra a vida dele, e quem administra a minha sou eu, Ibaneis Rocha, governador do DF”
                                                                                                                Ibaneis Rocha

    MCLNetto

    14/01/2012

    O PESADELO DO PARENTE


    Foi lançado por Ibaneis um convênio com a Polícia Militar para formar alunos em quatro escolas públicas do DF. Os locais escolhidos foram a Estrutural, Ceilândia, Recanto das Emas e Sobradinho, em decorrência do "baixo desempenho" escolar existentes e o "alto índice de criminalidade" das regiões.
    O secretário de Educação, Rafael Parente defensor durante anos das práticas adotadas pelo governo do PT, engoliu calado as reformas determinadas pelo governador e atuará em regime de harmonia com o comando da polícia militar.

    Na tentativa de uma saída honrosa ele declarou que as ações da PM não deverão influenciar o currículo pedagógico, ressaltou ainda que os militares vão ajudar na formação disciplinar de alunos do 6º ao 9º ano do ensino fundamental e do ensino médio.
    “"Esse é mais um projeto piloto, assim como outros que serão testados. Vamos avaliar os custos e os resultados, para decidirmos se vale a pena ampliar", disse Parente, querendo dar o tom de que  a última cartada será dele.

    Mas sabe-se que cada uma das escolas receberá de 20 a 25 militares policiais ou bombeiros, um número expressivo, que deverão integrar o quadro de servidores e manter os rígidos padrões de excelência que existem nas escolas militares do país e que o chefe da Casa Militar, coronel Júlio César Lima de Oliveira, estará atento ao trabalho dos policiais que participarão do projeto.
    No DF o comando é do Governador e Parente terá que bem conviver com o regime militar, agora a ser implantado nas escolas. Manda quem pode obedece quem tem juízo.

    O DECRETO POPULISTA

    A notícia mais badalada pelos internautas hoje foi, sem dúvida alguma, a nomeação do filho do general Mourão no gabinete do Banco do Brasil.  

    A Constituição Brasileira virou uma verdadeira colcha de retalhos cheia de leis que proíbem o que a Carta Magna determina. O direito ao trabalho e à dignidade da pessoa humana é desconhecido quando se trata de empregos de familiares de gestores nas esferas governamentais, partindo assim do pressuposto de que todos eles são corruptos, o que também contraria a Constituição do país.
    A história tem mostrado que leis populistas como a do nepotismo não funcionam como antídoto contra a corrupção.  Estamos vendo nesta última década que ela existe quando o gestor é corrupto, e acontece com a ajuda ou não de assessores comissionados ou de carreira, tudo depende de quem tem a caneta. 
    Hoje os familiares de gestores públicos e de políticos são verdadeiros párias, não podem nada, são apontados como escórias, tem a vida revirada pela mídia, são motivos de noticias fakes e se têm sucesso financeiro, mesmo com seu suado trabalho, são logo apontados como “o parente rico do politico fulano de tal”, num comentário acompanhado daquele sorrisinho maldoso que só falta falar “é rico porque rouba”.   
    Os políticos do nosso Brasil roubaram porque o Presidente, a Presidenta, o Governador, o Prefeito, os Parlamentares e a Justiça foram coniventes.
    Hoje estamos assistindo a mídia execrar um servidor público de carreira brilhante, ético, respeitado em seu trabalho e na sociedade que vive, e ser tratado como um incompetente que não é ocaso, pois o referido funcionário do Banco do Brasil é mais qualificado que o funcionário que ocupava o mesmo cargo anteriormente.  A mídia deixou pairar sobre ele e sua família o ar de impunidade. Quanta maldade!
    Quem faz corrupção é o homem sem caráter. Não adianta! O homem publico sem caráter corrompe todos por onde passa, o homem ético edifica com seu exemplo. Quem  não gostaria de indicar um filho para ajudar o Brasil a crescer.
    Os erros existentes em decretos e leis, entendemos que devem ser corrigidos, acabando assim com destruição da imagem de pessoas sérias, pelo simples fato de serem familiares de homens públicos, apesar de competentes, qualificados tecnicamente, éticos e de confiança do gestor.
    Queremos lembrar que o Decreto nº 7.203, de 4 de junho de 2010, que dispõe sobre a vedação do nepotismo no âmbito da administração pública federal foi publicado pelo então Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, hoje preso e condenado em segunda instância  por corrupção, conhecido internacionalmente como um dos políticos mais corruptos do Brasil. Não tinha um parente como assessor, mas mesmo assim culpou a esposa, D. Marisa por todos os malfeitos apurados na Lava Jato.
     Ao bom entendedor meia palavra basta!
     MCLNetto
    09/01/2019

    AGORA É A VEZ DE CARLOS BOLSONARO

     Acuada  pelo novo governo eleito, a rede Globo continua investindo contra os Bolsonaros, tudo vale para arranquear noticias conflituosas que possam gerar sentimentos contra o atual governo. desta vez foi a jornalista Patrícia Lélis, ex- namorada de Carlos Bolsonaro, filho do presidente foi quem protagonizou as denuncias, que foram divulgadas pelo Extra, um certo Blog, advinha ligado a quem? Veja você mesmo;

    Assim nascem os fakes, confundem nomes, denigrem pessoas e tudo fica por isso mesmo.
    Até quando?

    MCLNetto
      08/012019

    DECRETO EMERGENCIAL PARA RECUPERAR SAÚDE DO DF

    Decreto de estado de emergência nasce com término definido de 150 dias, com as seguintes permissões: aquisição imediata de medicamentos e insumos sem licitação, convocação de concursados, contratação de servidores e extensão da carga horária de trabalho. Foi autorizado ainda a possibilidade de horas extras, para os profissionais que queiram finalizar os milhares de atendimentos e cirurgias pendentes, além da contratação de profissionais que estão aposentados e que querem voltar à ativa com gratificação.
    Inicia-se uma nova fase na Secretaria de Saúde do DF com a determinação do governador de mutirões de atendimentos e cirurgias e a adequação e contratação de pessoal necessário para o bom atendimento médico à comunidade.
    Após conhecer bem o sistema de gestão do Instituto de Base, o governador Ibaneis Rocha entende que que é um modelo que pode ser replicado em outras unidades, sabe que terá apoio dos servidores e da comunidade, que há tanto tempo almejam melhores condições de trabalho e a possibilidade da oferta de atendimento de qualidade aos pacientes. -“Um dos pilares da minha gestão será a transparência nas contas públicas, nas contratações e nas compras e isto será exigido em todo o governo, inclusive na SES”, afirmou o governador.
    Animado, sem focar só nos problemas, mas antevendo soluções Ibaneis Rocha disse que não tem medo de dados caóticos, mas que tem medo da preguiça e avisa que todo servidor que mandar um paciente para outro local para ser atendido irá responder a processo administrativo, e terá que justificar este seu procedimento.
    Apesar das inúmeras declarações do ex-secretário de saúde que a Secretaria foi entregue dentro da normalidade, os dados das filas de espera são alarmantes, só na ortopedia existem 18 mil pacientes e as reclamações de falta de atendimento são inúmeras.
    O povo, que clama pela melhoria dos serviços prestados pela SES, veem com surpresa e alegria a fala e a visita do governador “in loco” nos hospitais, acreditam que realmente o novo modo de governar chegou.

    MCLNetto

    08/01/2019

    Fonte: CB1-08/01/19 pag.15

    URBITÁ A CIDADE DO FIM DE GOVERNO


    No apagar das luzes do governo Rollemberg o Correio Brasiliense traz uma notícia na pág. 17, Cidades, de 23/12/2018, que alvissarou os brasilienses e trouxe uma serie de indagações?

    Uma nova cidade, que vai abrigar 118 mil moradores num amplo espaço cercado de parques e prédios de até 10 andares, que não terão cercas ou grades, interagindo entre si, compondo o novo modelo habitacional proposto para a classe média alta por empreendimento particular foi o projeto desenvolvido com discrição máxima por incrível que pareça na última década e que teve sua aprovação no Conselho de Planejamento territorial urbano quinze dias antes do termino da atual gestão governamental.

    Os questionamentos são muitos:

    Porque tanto segredo numa época que todos exigem a transparência?

    Qual será o impacto ambiental?

    Surge uma nova Aguas Claras; sem nem ter ainda resolvido os problemas que os grandes prédios da primeira trouxeram para o DF?

    Quais as dificuldades que o novo governo enfrentará em relação ao trafego já difícil para Sobradinho e que com esta nova cidade será asfixiado?

    Qual o impacto que os condomínios horizontais existentes nas áreas da fazenda do grupo deste empreendimento vão sofrer?

    O grupo se diz dono 1,6 mil hectares que engloba condomínios já existentes e terras irregulares.

    O projeto aprovado é de 922 hectares, dos quais somente 387hectares estão livres para receber o projeto. E o resto? Qual a real situação existente?

    Outra informação importante é que a empresa está trabalhando para regularizar os lotes ocupados em 54 condomínios que existem de forma irregular no Grande Colorado, Boa Vista e Contagem, estes mutuários já sabem disso, estão a par de como será feita a regularização, qual o ônus que sobrará para cada morador, e eles terão seus direitos garantidos ou teremos uma outra derrubada à lá AGEFIZ, agora sob a batuta da Justiça?

    Diante de tantas indagações e como o senhor governador do DF disse que vai governar para o povo fica aqui a grito de socorro da população do DF que quer saber o porquê deste projeto não ter sido apresentado à população e como esta nova cidade, que está sendo articulada debaixo de tanto sigilo, vai nascer, e  o que o governo Ibaneis poderá fazer?

     MCLNetto
          3/01/2019

    DEPUTADOS NOVOS, POLÍTICA VELHA!



    Pelas notícias veiculadas sobre a composição do Governo Ibaneis a velha política de distribuição de cargos já entrou na veia dos novos ocupantes da Câmara Legislativa, contrariando todas as propagandas políticas que fizeram durante a campanha onde o tom era: “Não reeleja nenhum deputado. Escolha o novo. Faça diferente”. Antes de começar já estão fazendo igual

    Parece que a mudança foi só no nome, e no CPF.

    O mais sério é que já andam fazendo ameaças de atrapalharem o governo que vai assumir 2019, esquecendo-se de que a função do deputado não é a de colocar seus assessores em Administrações e nem tampouco nas Secretarias do GDF, mas sim de legislar em favor do povo, ser o interlocutor entre as aspirações populares e o governo e fiscalizar o executivo, sem rancor por não ter sido aquinhoado com um espaço de poder. Aos que forem convidados a participar o agradecimento é de bom tom. Essa deve ser a convivência com o Executivo, tão apregoada e parece que já esquecida
    Os novos eleitos vão descobrir agora o quanto a CDL trabalhou e como o povo e o quanto eles também pouco sabiam do que era feito. Agora, passam a ser as novas vidraças.
    MCLNetto
    22/12/2018

    BRASÍLIA, A NOVA CURITIBA


    Acorda Brasil, que os tempos que virão serão outros.
    Mas parece que sofremos de uma doença rara, onde a letargia e o Alzheimer político se fazem presentes.  A cada escândalo de corrupção que foi divulgado no Brasil sempre aparecia alguém para joga-lo para debaixo do tapete. Agora acabou o tapete.

    O mensalão abriu as porteiras para a corrupção desenfreada, em todos os níveis de poder, quando o presidente Lula falou a célebre frase: “Não sei, não vi! ” E nada fez ao tomar conhecimento das graves denúncias sobre propina para os deputados. Naquele momento os corruptos sentiram que a porta estava aberta, era só assaltar o caixa, desde que existisse a parcela do PT todo mundo podia levar o seu.

    Este tempo passou, e as manobras do Congresso para fortalecer o poder dos corruptos não vai prevalecer, pelo contrário, tudo ficou muito mais difícil. O DF hoje é a nova Curitiba. Sérgio Moro não vai nem precisar de pedir avião da FAB para levar a turma para a Papuda.
    Vamos ver muita gente gritando, fakes enchendo nossas redes sociais, mas a PF não tem medo, não são regados a propina e tem algo maior que os comanda; o amor à Pátria e a honradez pessoal, quem se arriscar a sair da linha está fora.

    A gente nem ainda viu o tamanho do rombo que realmente foi feito no país.

    Bem-vindos a Nova Curitiba!

    MCLNetto
    27/11/2018

    IBANEIS - O ARTICULADOR

     
    Rápido nos pensamentos e ágil nas decisões, o futuro governado do Distrito Federal sabe o que fazer, como fazer e onde quer chegar. Pró ativo, busca resultados e vem pouco a pouco montando o quadro de auxiliares numa mesclagem feita com maestria, garantindo um quadro técnico de alta qualidade e também o perfil político, atraindo assim o apoio de partidos expressivos para o seu governo.

    Busca o novo, a competência, o trabalho as propostas viáveis e o sucesso. Brasília entra para o cenário nacional à medida que nomes consagrados em gestão de Ministérios vêm fazer parte do processo administrativo do DF. Eles conhecem a máquina federal e será bem mais fácil buscar apoios e parcerias.

    Ibaneis está construindo sua imagem de estadista que governa olhando para o futuro, sem picuinhas, além de partidos. Conseguiu trazer a doçura e o respeito à família, carregando consigo seu filho em agendas importantes como a da visita ao Presidente da República.   Este é o primeiro ensinamento que vai deixar para os políticos: a valorização da família.  
    Começa a se firmar como liderança no cenário nacional, e pouco a pouco nos entregará uma nova Brasília, não seremos mais conhecidos como quintal do Planalto, que hoje segundo as palavras de Bolsonaro deve ser menos, mas sim como a Capital Política do Brasil, onde tudo que era menos virou mais, mais saúde, mais educação, mais tecnologia, mais transporte, mais segurança, mais tranquilidade, mais família.  O povo espera e aguarda este novo tempo.

    Mais Brasília, Brasil acima de tudo e Deus acima de todos!
    MCLNetto
    21/11/2018

    IBANEIS PAUTA AÇÕES PARA ROLLEMBERG

     
    O governador Rollemberg, ao apagar das luzes, resolveu fazer as pazes com o sistema produtivo e regulamentar a lei sobre remissão de créditos tributários/ICMS.

     Com medo de perder receita, Sua Excelência não regulamentou a Lei Complementar nº 160, de 7 de agosto de 2017, que poderia ter impedido a saída de várias empresas do DF para outros estados, além de trazer novas empresas para o Distrito Federal.

     Sabemos que a agilidade e a gestão estratégica nunca foram uma habilidade do governador, pena que o Ibaneis não tenha estado com ele mais vezes, porque poderia ter influenciado mais, mostrando decisões assertivas, como foi o caso dos incentivos fiscais, uma das propostas de campanha do candidato Ibaneis Rocha, que Rollemberg quer ir na garupa.

    O PREÇO DE LUTAR CONTRA A CORRUPÇÃO


     
    Inconformado com a impunidade do doleiro Youssef, que mentia durante as delações, saindo sempre ileso, o policial federal, Gerson Machado, iniciou um trabalho meticuloso sobre Yousseff, que culminou com a abertura da operação Lavajato.

    Sofrendo fortes pressões, e debaixo de grande stress teve momentos de ira desenfreada, motivo que os inimigos da LavaJato aproveitaram para afastá-lo da Policia Federal, apesar de laudo médico que atestava ele estar apto para voltar à  ativa, depois de tratamento a que foi submetido.
    Foi o grande cérebro das investigações. Sua história vem mostrar o peso da maquina do governo contra os que se levantam contra ela.

    Esperamos que o Presidente da Republica, Jair Bolsonaro, venha resgatar a imagem deste homem que  teve a coragem de investigar e abrir a maior operação contra a corrupção do Brasil, e certamente é uma das maiores do mundo.

     Assista a série do Netflix, 'O Mecanismo" e no Now a série "A Lei é para todos - Polícia Federal" e então voce vai compreender a verdadeira dimensão da Lavajato, que segundo dizem está só no começo.

    Gerson Machado é o herói anônimo, sem glórias e recompensas, esquecido, mas que humildemente tem orgulho de poder dizer "Eu ajudei a fazer bem a minha parte!"
    Deus no contrôle!



    IBANEIS, O XADREZ DO MDB


     

    O frisson no meio político foi grande quando veio a público a notícia de que o MDB havia convidado o ex presidente da OAB para se filiar ao partido, com a possibilidade de ser o seu candidato oficial ao Buriti.  

    SAIBA MAIS SOBRE IBANEIS ROCHA
    Ibaneis Rocha, foi o primeiro advogado brasiliense a comandar a OAB-DF. Cursou Direito, no Uniceub, é pós-graduado em Direito e Processo do Trabalho e Processo Civil.

    Sua atuação na OAB iniciou quando foi  eleito conselheiro seccional, pela chapa Pela Ordem. 
    Ibaneis assumiu a vice-presidência da OAB-DF em 2008. Presidiu, ainda, o Órgão Especial do Conselho Pleno e foi secretário da Comissão Nacional de Defesa das Prerrogativas e Valorização da Advocacia do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil.

    Reconhecido nacionalmente como defensor dos direitos dos advogados, atuou em causas polêmicas conhecidas, como a luta que capitaneou para garantir o trabalho dos advogados que fizeram a defesa dos acusados no processo do "Mensalão" durante os depoimentos à CPI, em 2005.
    Em 2006, entrou com o pedido de habeas corpus em defesa de 15 profissionais acusados de passar informações sigilosas sobre a Operação Hurricane, da Polícia Federal, para a imprensa.

    Mas o fato mais discutido nacionalmente foi quando a Ordem dos Advogados do Brasil no Distrito Federal rejeitou o pedido do ex-presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Joaquim Barbosa, de ter direito a registro da OAB para exercer a advocacia. O presidente da OAB-DF, Ibaneis Rocha, indeferiu o registro alegando que a conduta de Joaquim Barbosa feriu a ética profissional. Rocha citou como exemplo dois desagravos que foram feitos pela OAB em defesa de advogados que foram ofendidos por Joaquim Barbosa quanto ele ainda estava no Supremo.
    Um deles foi o ex-ministro Maurício Correa, já falecido, que foi acusado por Barbosa de usar o prestígio de ex-ministro para tratar de ações que tramitavam no STF. O outro foi o advogado José Gerardo Grossi. Segundo a OAB, Grossi teria sido ofendido por Barbosa, quando o então presidente do STF, que afirmou que havia um conluio de advogados para defender os réus do Mensalão.

    Atuou, ainda, quando Cezar Britto era presidente do Conselho Federal da OAB, para a aprovar a Proposta da Súmula Vinculante nº 14. 
    O ex-presidente da Ordem dos Advogados do Brasil - OAB-DF, Ibaneis Rocha,  que pretende ser candidato a governador, admitiu conversas com nomes de diferentes legendas e movimenta articulações para as eleições de 2018 que seguem a todo vapor no Distrito Federal.
    Como os candidatos precisam estar vinculados a algum partido até março de 2018, Ibaneis queria escolher uma sigla para se filiar até novembro deste ano. Em outubro almoçou com o senador Cristovam Buarque (PPS) que lhe abriu as portas do PPS. “É preciso definir essa questão o quanto antes para viabilizar um projeto de governo" declarou na época. "A certeza que nós temos é que não vai ser uma eleição sem concorrentes, como foi nas duas últimas, com Agnelo Queiroz e Rodrigo Rollemberg, que venceram sem um leque amplo de adversários”, disse o ex-presidente da OAB-DF em entrevista a um jornal local.

    Convidado para uma coletiva com os membros da ABBP, Ibaneis Rocha falou durante quase duas horas sobre política, gestão e os "porquês" de estar entrando para a política como provável candidato do MDB ao governo do Distrito Federal.

     SAIBA O QUE PENSA O CANDIDATO DO MDB 

    Ibaneis disse à ABBP o que procurava ao escolher um partido: "Queria ter a certeza de que teria espaço para lançar minha candidatura, não importava quais seriam as circunstâncias no ano que vem. "
    “Temos doze pessoas pleiteando a sua candidatura ao governo, mas ninguém ainda se entendeu. A dúvida que existe hoje é saber quem é ou não candidato."
     
     "Imaginem, se depois de um ano eles não conseguiram um ajustamento deste grupo, alguma coisa está errada. Nenhum deles conseguiu se firmar nem dentro do seu partido, nem junto à população do DF e nem na imprensa como candidato. Então, outro nome tem que vir”.
     
    “A escolha de administradores vai ser direta, acredito que existe um descumprimento da lei orgânica do DF, já entramos questionando isso e ganhamos, já foi transitado em julgado, ele está em mora não como compromisso de campanha, mas com a justiça do DF. A discussão tem que acontecer.”
    “Quando for governador não terei nenhuma dificuldade para discutir como isto deverá ser feito."
    “Não faço a menor ideia de quem seja o Administrador do Lago Sul, onde moro.  Isto tem que mudar. É preciso ter interlocução com a comunidade, com os deputados e com o governo.”
     
    “Acho interessante a aplicação de um modelo parlamentarista para as administrações das cidades do DF.”
     
    “Temos que pensar num orçamento participativo para as Administrações Regionais."
    “A Constituição engessou o orçamento da união.”
     
    “As duas últimas eleições foram ganhas por WO. Ganhou o menos pior. Temos que mudar, e escolher o melhor."
     
    “Agnelo e Rollemberg desmereceram as administrações e andaram na mesma direção errada”.
     
    “O governo Rollemberg não tem um projeto de gestão para o DF."
    “O problema mais grave do DF é a falta de um projeto viável de desenvolvimento.” 
     
    “Este governo não tem um projeto para a educação, saúde, transporte, mobilidade, etc, ele trabalha os problemas do dia a dia. “
    “O atual governador do DF governa por decreto emergencial e, pasmem, com isso ele aumentou em mais de 600 mil reais/mês os custos das compras da saúde. “
     
    “Fui convidado pelo Filippelli para vir para o MDB, e vi ele conversar com a cúpula do partido reforçando a importância da minha filiação. ”
    “A corrupção existente foi criada pelo governo com a liberação do financiamento de campanha.  Como hoje isso está proibido, a eleição do ano que vem vai ser muito melhor.
     
    “Estou vindo para o MDB com a missão de discutir a próxima eleição, para ganhar ou perder, o meu compromisso é com o debate.”
    “Venho com a função de debater, escutar e ampliar uma discussão para mudar Brasília.”
     
     “O MDB é o partido que mais tem vinculação com a democracia, e os seus integrantes que tiverem problemas com a justiça certamente serão pegos e terão que responder por essa ação.”
    “Estou satisfeito com a minha escolha partidária. ”
     
    Brasília tem que ser o grande polo comercial. Saber qual é a sua vocação e   tem que integrar com todas as regiões metropolitanas."
    "O governo não está pagando os servidores mas está contratando e o déficit está ficando para o próximo governador. Ate 2020 os governos têm que pagar todas as suas precatórias. E qualquer que seja o governador eleito, ele não pode mais chegar sem conhecer os problemas do DF. Ninguém mais pode chegar ao governo desinformado."
     
    "Hoje a renúncia fiscal sem contrapartida chega a 250 milhões por mês. Isto é um absurdo."
     "Temos que ter um conselho para reunir todos os administradores e prefeitos para discutirem juntos os problemas do entorno, e fazer um planejamento integrado."
     
    "Brasília não é uma cidade industrial, a sua vocação é comercial. O entorno sim deve ser industrializado."
    "Com a industrialização do entorno iremos mudar o processo de migração, os brasilienses irão também trabalhar no entorno."
     
    Vou procurar os especialistas e ver quais são os orçamentos que temos disponíveis em todas as áreas e quais os problemas existentes, e depois de levantar todas estas questões temos que montar as prioridades e trabalhar com foco e resolutividade."
    "Entendo que o modelo que querem implantar no Hospital de Base vai trazer problemas para o DF, e enquanto o governo não envolver os médicos e as pessoas que vão trabalhar nele tenho certeza que trará problemas e inseguranças jurídicas. O ICS está aí para todos verem..."
     
    "Na área habitacional temos que abrir uma pauta de discussão com o MP, sobre os problemas de regularização dos condomínios, regularizar o que der para ser regularizado o que não der nós temos que dar o tempo necessário para os moradores saírem, desmontarem suas casas sem quebra-quebra e destruição."
    "Brasília precisa acabar de vez com as invasões e para isso é necessário  uma política habitacional de governo com programas bem definidos.'
     
    'A esquerda sempre teve um olhar diferenciado para os problemas sociais. Os desacertos existiram, mas ninguém pode negar este pensamento existente."
    "Quem é contra os programas assistencialistas é porque nunca passou fome. Hoje nosso povo não passa mais fome como antigamente. "
     
    "Precisamos de ter gestão rápida para resolver os problemas do dia a dia.A NOVACAP pode agilizar os pequenos reparos com agilidade."
    "O que falta no transporte público é um projeto viável para a cidade. E as linhas de credito estão aí disponíveis para todo mundo."
     
    " Brasília precisa criar uma carreira de especialista, que possa ter a mobilidade necessária para atender as necessidades da gestão."
    " Ninguém terceiriza governo e o governo é responsável pelos problemas que existem, não interessa se herdou ou não, e o governador tem que saber como vai resolver as situações existentes." 
     
    "Atualmente só existe um inimigo, que é quem faz  o que ruim para o Distrito Federal."
     

    Que candidato que a sociedade busca? Este é o debate que propomos fazer. Não entrei como candidato, mas como o promotor de um debate que vai buscar o consenso." 
     
    "Não estou aqui para torrar dinheiro, consegui um patrimônio com muito trabalho e grandes dificuldades, mas estou aqui para mudar o foco da política e o que tem que se buscar é fazer com o melhor candidato o melhor para o DF. "
    Ibaneis Rocha transita entre os partidos de esquerda, centro e de direita e se fizer bem o dever de casa certamente será um candidato forte ao governo do Distrito Federal. 

      MCLNeto
    Brasília 19/11/2017

    SABATINA POLITICA DA SEMANA - ABBP

    QUEM É O BERLUSCONNI BRASILEIRO? QUEM É O BERLUSCONI BRASILEIRO?

    Desabafo da Ministra Eliana Calmon: “ Estou desolada com a decisão do Supremo. Lamentavelmente eles prepararam um enterro de...