Pular para o conteúdo principal

ROLLEMBERG - RUMO DE CASA

Cada político imprime o seu jeito de ser, de acreditar, de ver o mundo quando no exercício de funções públicas legislativa ou executiva. Ninguém dá o que não tem!
O governador Rollemberg não podia fazer diferente do que fez, erramos todos nós que acreditamos no candidato, porque sua vida política pregressa indicava outros rumos, bem diferentes do que ele nos apresentou na eleição de 2014.
Ninguém se preocupou, como ele hoje faz com seus adversários, em saber como atuavam os  auxiliares que o acompanharam durante anos a fio. A turma dos segredos sempre foi mantida com cargos altos e deferências, afinal guardam informações que valem ouro.
Rollemberg, sempre atento a manobras que podiam mantê-lo no poder esqueceu-se de avaliar o novo momento político que o Brasil vive, impregnado de tecnologia da informação. Whatsapp, redes sociais, áudios vídeos, dentro e fora dos palácios foram usados para manter o poder, mas outros foram feitos por “amigos” que se sentiram ameaçados e se sujeitaram ante a força do governo e que hoje servem como barganha da liberdade

Cometeu vários erros e em todos deixou patente a sua forma intolerante e totalitária, esqueceu que a política é a arte e governar com o povo, para o povo e pelo povo.
 Fez uma trajetória solitária desde os primeiros dias de seu governo quando dispensou o apoio de Cristovam que fora eleito em 2010 com 833.480 votos e Reguffe com 821.715 votos, senadores eleitos com mais votos que o próprio governador Rollemberg, que conseguiu 812.036 votos.

 Logo depois começou a sua perseguição às lideranças políticas do DF, começando por aqueles que o ajudara a chegar ao Buriti. Queria o poder absoluto e para isto precisava destruir lideranças consolidadas com mandatos, então iniciou a sua derrocada política, tentando destruir a imagem da CLDF, cujos deputados vinham fazendo um belo trabalho na comunidade e não era um puxadinho do Buriti. Jogou seus erros em cima da Mesa Diretora para se safar de um possível impeachment e manteve a sua base política com mãos de ferro, muitas vezes questionando deputados rebeldes com a ameaça: -“Você não tem medo da Dracon?”
Enganou amigos leais como o deputado Agaciel, Juarezão e Luzia de Paula e Joe Valle que não tiveram o espaço politico que mereciam, em contrapartida sempre prestigiou o seu grupo pessoal e todos os lugares de expressão do governo foram ocupados pelo candidato do PSB derrotado, Marcos Dantas.  Seus auxiliares mais importantes como Fábio Gondim, Romulo  Neves, Hélio Doyle  saíram do governo  como opositores ferrenhos.

 Rollemberg não conseguiu eleger os exs-secretários do Trabalho Thiago Jarjour,  do Meio Ambiente Igor Tokarski, e a polêmica Secretária de Projetos Especiais, Maria Abadia, que a seu mando dividiu o PSDB impedindo assim que o partido disputasse a eleição para o governo.
Os que saíram vencedores já eram conhecidos pela população do DF, Roosevelt Vilela já havia ocupado uma cadeira na CLDF em  2015, sendo por duas vezes administrador no DF e representante de uma classe politizada que é a dos bombeiros  e a Leila do Vôlei que já era uma personalidade reconhecida nacionalmente e um ator novo na política e ainda fora indicada e carregada pelo deputado da Universal Júlio  César.

 Rollemberg não teve nada a comemorar no primeiro turno.
Ficou a lição: ninguém governa sozinho.

Hoje, solitário, desgastado, sente o gosto amargo da derrota chegando a passos largos. Vai deixar o governo do Distrito Federal no dia primeiro de janeiro e será acompanhado por um pequeno séquito amedrontado porque não sabe o futuro que os espera.  Que não seja igual ao dos outros parceiros antigos de Rollemberg.

 Leila, a senadora eleita, deve ser cautelosa e sábia para não ser engolida nas teias do “Fiquei feliz em ver as criancinhas se alimentando 5 vezes por dia nas creches”, mas que esqueceu de dar uma alimentação digna para as criancinhas da rede pública escolar, no seu governo, conforme  foi amplamente  noticiado no Distrito Federal.
MCLNetto
19/10/2018

Comentários

  1. Excelente texto, quem poderia escrever melhor sobre política senão MCL. Conhecedora no assunto de todos os governos que essa capital outrora já teve. Ela fala, ela escreve e publica o que sua experiência é capaz de mostrar e, as pessoas não enxergam. Eu apláudo tudo que vc escreve MC, porque sei que conheces a verdade desse meio político que a gente espera vê um dia mudar. Grande bj.

    ResponderExcluir
  2. Pra esse seu comentário foi muito infeliz!

    ResponderExcluir

Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

ÍNDIAS ASSUMEM PASSARELAS

O fim de semana promete movimentar o mundo da moda, na capital Federal. Entre os dias 29 de novembro e 1º de dezembro, o Centro de Dança do DF, no Setor de Autarquias Norte, receberá a segunda edição do Brasília Trends, evento de moda que apresenta caráter inclusivo, ressaltando e valorizando as minorias, rompendo conceitos e tabus extrapolando o cotidiano dos ateliês de alta costura e questionando o belo, aliado ao fantástico mundo da inovação e empreendedorismo. Mulheres indígenas interferindo na alta moda de Brasília.

O destaque esse ano vai para a Escola de Moda e Negócios -Fashion Campus, que está produzindo no seu ateliê uma coleção em parceria com a tribo indígena Guajajara.
Os looks da Guajajara Fashion Show estão sendo criados nos mais inovadores conceitos de moda sustentável, em tecidos de composição natural dentro conceitos de modelagem zero waste (sem resíduos), moda sem gênero.

 Os 10 looks da Coleção Guajajara são exclusivos e foram pintados à mão pelas s mulheres Guajaja…

A VAIDADE PERIGOSA

Num momento de pandemia, onde um vírus ainda sem prevenção atinge quase todos continentes, onde as únicas orientações que são repassadas para a população são a de se evitar aglomerações, o povo brasileiro é surpreendido pelas declarações do presidente da República de que “está acompanhando as passeatas em favor dele, contra o Congresso Nacional e o STF”, instituições que representam os outros poderes independentes do Brasil.

Este triste episódio vem  mostrar que o governo não se atentou ainda à gravidade do momento que vivemos, parece que o Palácio da Alvorada está numa outra nação. Talvez tenha voltado para aquele da Alice do país das Maravilhas.

Senhor Presidente, nossa Constituição determina a existência de um governo tripartite, onde o Executivo, Legislativo e Judiciário são independentes e todos  tem responsabilidades próprias e bem definidas. O apoio à desmoralização destes poderes é um atentado à Constituição, é uma tentativa de poder absoluto, idêntico ao que o PT tentou esta…

URBITÁ A CIDADE DO FIM DE GOVERNO

No apagar das luzes do governo Rollemberg o Correio Brasiliense traz uma notícia na pág. 17, Cidades, de 23/12/2018, que alvissarou os brasilienses e trouxe uma serie de indagações?
Uma nova cidade, que vai abrigar 118 mil moradores num amplo espaço cercado de parques e prédios de até 10 andares, que não terão cercas ou grades, interagindo entre si, compondo o novo modelo habitacional proposto para a classe média alta por empreendimento particular foi o projeto desenvolvido com discrição máxima por incrível que pareça na última década e que teve sua aprovação no Conselho de Planejamento territorial urbano quinze dias antes do termino da atual gestão governamental.
Os questionamentos são muitos:
Porque tanto segredo numa época que todos exigem a transparência?
Qual será o impacto ambiental?
Surge uma nova Aguas Claras; sem nem ter ainda resolvido os problemas que os grandes prédios da primeira trouxeram para o DF?
Quais as dificuldades que o novo governo enfrentará em relação ao trafego já …